• Rippling (Ondulações) após Colocar Próteses de Silicone nas Mamas

    por  • 8 de abril de 2013 • Mamas

    Rippling: Ondulações

    Uma das campeãs entre a preferência das mulheres na hora de escolher uma cirurgia plástica, a cirurgia de mamoplastia de aumento, aquela em que se usam próteses de silicone para aumentar o volume dos seios, é um procedimento que pode ser feito de várias maneiras, o que inclui a escolha do implante (tamanho, formato e textura), da técnica e do local onde a prótese será inserida (abaixo das glândulas ou abaixo dos músculos). O sucesso do procedimento está diretamente ligado às escolhas feitas pelo especialista. É por essa combinação de fatores que o cirurgião plástico chega o mais próximo possível do desejo da paciente e também evita algumas complicações.

    Entre as intercorrências possíveis após o procedimento está o rippling, que causa um efeito de enrugamento sob a pele. Ele geralmente está associado à colocação de próteses de tamanhos maiores em mulheres com pouco tecido mamário para recobrir esse implante, por isso a prótese fica enrugada, criando essas ondas.

    O aspecto enrugado da pele desagrada, levando algumas mulheres aos consultórios para resolver a questão estética. E há como solucionar.
     

    Onde a Prótese de Mama é Colocada?

    O implante mamário pode ficar tanto abaixo das glândulas como abaixo dos músculos. Na primeira opção, as próteses ficam em um plano mais superficial e, por isso, a chance de acontecer o efeito rippling é maior. Com o implante mais próximo da pele, as ondulações ficam mais evidentes. O plano subglandular é escolhido por muitos cirurgiões por ser de mais fácil execução. Com essa técnica há um controle melhor do sangramento durante o procedimento e a incisão é feita abaixo da glândula mamária, um local de mais fácil acesso. A contraindicação fica justamente para as mulheres mais magras pois elas possuem menos tecido mamário para cobrir o implante e este ficará mais visível seja com ou sem rippling.

    Já no plano submuscular, o implante fica atrás dos músculos, gerando um efeito mais natural. A incisão, nesse caso, é feita abaixo do músculo do tórax. Dessa forma o rippling é bem raro e, mesmo que aconteçam ondulações na prótese, elas não estarão em um plano visível. É uma cirurgia um pouco mais invasiva e, por isso, o desconforto no pós-operatório é maior se comparado à colocação no plano subglandular.
     

    Texturas e Consistência

    Outro fator importante a ser levado em consideração é a textura dos implantes mamários. As próteses de silicone de gel não coesivo tendem a enrugar mais facilmente, ao contrário das próteses de poliuretano. Elas são mais difíceis de serem colocadas pelo cirurgião mas proporcionam um resultado mais satisfatório, com a mama mais firme e com chances reduzidas de acontecer o rippling ou mesmo outros efeitos colaterais como estrias e flacidez no local.
     

    Solução

    Exemplo de Rippling em Prótese de Mama da Modelo Victoria SilvstedtComo mencionado, as próteses de poliuretano são menos suscetíveis ao enrugamento, por isso são uma boa opção para quem quer substituir a prótese quando acontece o rippling. Além disso, é interessante combinar esse tipo de prótese com a técnica de colocar o implante atrás dos músculos. Nesse sentido, a substituição dos implantes utilizando essa técnica tem dado bons resultados na clínica Zamarian.

    Um outro procedimento que pode minimizar a aparência das ondas na pele onde o implante foi colocado é o enxerto de gordura. Ele “esconde” o rippling e é uma opção para quem não quer se submeter novamente ao procedimento cirúrgico.

    Cabe lembrar que a medicina lida com o ser humano e, justamente por isso, não é uma ciência exata. O cirurgião capacitado e habilitado para realizar os procedimentos estéticos é a melhor pessoa para avaliar qual será a melhor técnica a ser adotada para cada paciente. Vários fatores precisam ser levados em consideração, o que inclui a idade da paciente, sua estrutura, a quantidade de tecido mamário, o desejo pelo formato e tamanho dos seios. O especialista analisa mais de 50 padrões clínicos e, somente depois de estudar todas essas variáveis é que ele chega à melhor combinação possível.

    É importante também respeitar o limite de área da glândula mamária da paciente, alertando-a quando ela quiser fazer opções que não sejam possíveis pelas características físicas, principalmente da estrutura na região do tórax. Se o cirurgião plástico for além do limite da glândula mamária, o resultado não será satisfatório pois deixará os implantes cobertos apenas por pele. O efeito ficará artificial e as chances de ocorrer o rippling são maiores.
     

    Informações sobre Próteses de Silicone

    O Brasil é o segundo país do mundo em número de cirurgias plásticas realizadas anualmente. A estatística é da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (Isaps). Só em 2011 foram 905.124 procedimentos. Desse total, 148.962 foram cirurgias para aumentar as mamas.

    É importante conhecer as possibilidades, técnicas e características do procedimento antes de entrar para o centro cirúrgico. Conheça mais sobre as próteses nos tópicos abaixo:

    • Formatos: meia-lua, redonda, anatômica ou natural, cônica, em forma de gota.
    • Tamanhos: entre 125ml e 500ml, fabricadas com variações de 25ml ou de 40ml entre uma e outra. Opções maiores podem ser feitas sob encomenda.
    • Durabilidade: em torno de 10 anos, mas há casos em que não é preciso substituir o implante. O importante é fazer visitas frequentes ao médico, principalmente após passados 10 anos da cirurgia, para saber sobre a integridade da prótese.
    • Cicatrizes: há quatro locais possíveis de se fazer a cirurgia – por via axilar, pela aréola ou pelo sulco mamário (dobra abaixo da mama), ou pela vertical da mama durante mastopexia.
    • Segurança: Não há nenhum estudo que associe os implantes mamários a casos de câncer de mama. Além disso, os implantes não impedem a realização de exames preventivos, como a mamografia e a ultrassonografia.
    • Amamentação: as próteses de silicone não atrapalham na amamentação. Elas são colocadas abaixo das glândulas (ou mesmo abaixo dos músculos), não afetando a produção de leite.
    • Rompimento: com a crescente tecnologia e controle do INMETRO (atualmente todas as próteses utilizadas no Brasil precisam ter o selo de qualidade do INMETRO) é cada vez mais raro de ocorrer rupturas nas próteses. E, quando elas ocorrem, não há risco do silicone “vazar” pois ele tem consistência de gel, ficando no local. O que é importante é substituir as próteses em caso de rompimento, que é diagnosticado por exames de imagem.
    • Saúde: antes de se submeter a qualquer procedimento cirúrgico é preciso realizar uma série de exames pré-operatórios para saber do estado de saúde da paciente e se há algum empecilho.

    Sobre

    Dr Walter Zamarian Jr, Cirurgião Plástico na Clínica Zamarian de Cirurgia Plástica, info@zamarian.com.br Rua Senador Souza Naves, 1035, sala 9 Londrina, PR, Brasil, CEP: 86010-160 Tel.: (43) 3356-0506

    http://www.cirurgiaplasticalondrina.com.br/