• Mamas

    por  • 7 de abril de 2013 • 

    As Mamas

    As mamas pode ser pequenas, grandes, caídas, ou terem sido submetidas a algum tipo de trauma, como queimadura ou mastectomia por câncer de mama. De qualquer forma, o volume e formato das mamas, se inestéticos, podem incomodar muito e a cirurgia plástica dispõe de diversos e modernos recusos para oferecer o que há de melhor para aprimorar o aspecto das mamas e aumentar a auto-estima. Assimetria mamária, mamas pequenas, mamas muito grandes (ginecomastia) ou simplesmente, mamas caídas, encontram na cirurgia plástica das mamas a solução para melhorar seu formato, volume e firmeza.

     

    Conheça nossos Tratamentos de Cirurgia Plástica das Mamas

    Prótese de Silicone

    A cirurgia de prótese de silicone nas mamas é uma das cirurgias plásticas mais procuradas. Seu resultados quase que imediato, praticamente sem dor e com mínima cicatriz fazem desta uma cirurgia desejada pela grande maioria das mulheres. Dr. Zamarian realiza cirurgia de prótese de mama em pacientes de Londrina, Paraná, Brasil e Exterior, com a habilidade e experiência necessárias para ajudar você a alcançar seu objetivos estéticos.

    O pequeno desenvolvimento das mamas é chamado de hipomastia (mamas pequenas) e pode facilmente ser melhorado com a cirurgia de implantes mamários. Essa cirurgia normalmente é realizada pelo Dr. Zamarian sob anestesia peridural e sedação, em um procedimento rápido (cerca de uma hora) e com recuperação bastante tranquila.

    A prótese de silicone utilizada na Clínica Zamarian é a de poliuretano da Silimed, que confere menor risco de contratura, menor risco de flacidez e estrias, é mais firme e foi considerada pelo Comitê Europeu de Prótese de Silicone como a melhor prótese do mundo.

    O período de internação após a cirurgia de silicone nos seios é de 24 horas e o Dr. Zamarian costuma colocar um dreno que se exterioriza pelas axilas e que ele retira na manhã seguinte a cirurgia, antes da alta. Esse dreno é essencial, pois o organismo costuma acumular cerca de 100ml de líquido em cada mama nas peimeiras 24 horas, portanto ele diminui o risco de infecção e contratura.

    O pós-operatório da cirurgia plástica de mamas com prótese de silicone é bastante tranquilo. Não há a necessidade de se retirarem poentos, pois Dr. Zamarian utiliza cola cirúrgica (Dermabond). Recomendamos que a paciente durma de barriga para cima durante o primeiro mês, além de não realizar esforços físicos nesse período. Com três semanas da cirurgia já se pode dirigir e após trinta dias, levantar os braços acima dos ombros e carregar pesos leves. O retorno ao trabalho depende da atividade exercida, mas em média, pode ocorrer em sete a quinze dias.

    Mastopexia

    A flacidez da mama é considerada quando a mama cai sobre o tórax, e para ficar mais simples de se entender, quando ela segura um lápis ou uma caneta abaixo dela com a paciente em pé. O tratamento da flacidez de mamas com a cirurgia plástica se denomina mastopexia (masto = mamas, pexia = levantar). A mastopexia se difere da mamoplastia redutora no sentido que na mastopexia retira-se pouco volume, pois o objetivo principal é o levantamento das mamas. Já na mamoplastia redutora, o objetivo principal é diminuir o tamanho das mamas, assim, a mamoplastia tem cicatrizes maiores (mais longas) que a mastopexia.

    A técnica de mastopexia mais utilizada pelo Dr. Walter Zamarian em Londrina é a denominada Arié-Pitanguy, ou técnica Romboide. Nessa técnica, a cicatriz resultante muitas vezes é apenas em volta das aréolas e nas verticais das mamas, dispensando muitas vezes as cicatrizes nos sulcos inframamários. Entretanto, quando há uma flacidez um pouco maior, pode ser necessária a cicatriz na horizontal, resultando em um T pequeno, apenas para que a cicatriz nao passe abaixo do soutien.

    A mastopexia pode ser associada à colocação de prótese de silicone, para permitir mamas mais firmes, com maior projeção de pólo superior e com um resultado mais duradouro. Essa cirurgia é chamada de mastopexia com prótese de silicone.

    Tanto o pós-operatório, quanto o prazo para o retorno às atividades são os mesmos descritos acima, para a colocação de prótese de silicone, apenas. Em um mês pode-se dormir de lado, levantar os braços, realizar caminhadas e bicicleta leve e namorar.

    Mamoplastia Redutora

    A mamoplastia redutora, ou cirurgia plástica de redução de mamas, é a cirurgia que retira grande quantidade de colume das mamas, principalmente nas pacientes que sofrem consequências do peso das mamas, como assaduras abaixo das mamas, sulcos nos ombros causados pelo soutien e dores nas costas. A redução de mamas dá um conforto maior, podendo ajudar na postura e diminuindo as dores e assaduras.

    A técnica clássica de redução de mamas de Pitanguy resulta na cicatriz do T invertido e consegue reduzir até as mamas muito grandes, condição chamada de gigantomastia. Nessa cirurgia, as aréolas e as mamas sobem de posição no tórax e, como na mastopexia, a sensibilidade das aréolas é preservada na grande maioria das vezes. Essa técnica permite a amamentação depois da cirurgia e tem o mesmo período de recuperação da colocação de silicone e da mastopexia.

    Dr. Zamarian acompanha suas pacientes depois da cirurgia por meses, para se certificar de que as cicatrizes apresentem o melhor resultado possível, mas isso pode variar de paciente para paciente.

    Reconstrução de Mamas

    O câncer de mama atinge muitas mulheres (e alguns homens) por ano e a cirurgia de retirada do tumor pode ser parcial, como na quadrantectomia, ou total, como na mastectomia. A cirurgia plástica de reconstrução de mamas após câncer de mama visa restabelecer o volume e a forma o mais parecido possível com uma mama estética. Parte do tratamento com reconstrução de mamas pode envolver a cirurgia na mama que não teve câncer, para torná-las mais semelhantes. A reconstrução pode ocorrer no mesmo momento da retirada do tumor ou pode ser realizada apenas após o término dos tratamentos complementares, como quimioterapia e radioterapia, após a liberação pelo mastologista.

    Existem muitas técnicas de reconstrução de mama, e cada paciente tem a técnica melhor indicada, de acordo com a avaliação do cirurgião plástico. Às vezes, pode ser mais simples reconstruir a mama inteira do que preencher o volume retirado parcialmente da mama. Para as cirurgias com retirada parcial, pode ser utilizados retalhos locais, como o torácico lateral, enquanto que a reconstrução da mama inteira pode ser realizada com expansor e prótese de silicone, com o músculo das costas (grande dorsal) ou com o músculo do abdômen (TRAM). Em qualquer uma das técnicas escolhidas, podem ser necessárias outras cirurgias, menores, para simetrização ou reconstrução de aréola.

    Ginecomastia

    As mamas masculinas pode adquirir um volume acima do esperado, podendo causar constrangimentos para vestir uma blusa mais justa ou para retirar a blusa na praia ou piscina. Existem diversos fatores que podem influenciar para o desenvolvimento excessivo das mamas no homem, mas na maioria ds vezes a causa é desconhecida. O excesso de volume das mamas pode ser decorrente de gordura, de glândula ou de ambos. Esse aumento das mamas no homem é chamado de ginecomastia.

    Quando o excesso de volume das mamas é apenas gordura, sem flacidez de pele importante, a lipoaspiração, apenas, pode resolver. Nos casos em que se realiza a lipoaspiração e no final ainda resta um tecido fibroso projetando a aréola e suas redondezas, é a glândula que também necessita ser retirada, e na maioria das vezes, isso pode ser realizado com uma cicatriz em meia-lua na parte inferior da aréola, ou retirando-se um pouco de pele ao redor de toda a aréola. Para os casos mais extremos, com grande quantidade de tecido mamário e pele, pode ser necessária uma cirurgia maior, com cicatriz também maior, que pode ser semelhante a uma mamoplastia redutora, ou com uma cicatriz periareolar e uma horizontal, apenas.

    Há a necessidade de uso de um colete após essa cirurgia, e a drenagem linfática e endermologia, que começam no quinto e décimo dia após a cirurgia, respectivamente, asseguram uma recuperação mais confortável, com menos risco de fibrose e aderências.