• Prótese de Silicone

    por  • 3 de outubro de 2014 • 

    Prótese de Silicone em Londrina com Dr. Walter Zamarian Jr.

    Segunda cirurgia plástica mais realizada no Brasil e no mundo – ela só perde para a lipoaspiração – a prótese de silicone tem tido uma procura cada vez maior. No entanto, é necessário saber dos vários detalhes que envolvem essa intervenção para que tudo corra com muita segurança e se consiga obter o resultado desejado.

     

    Apresentação em vídeo pelo Dr. Walter Zamarian Jr. sobre Prótese de Silicone nos Seios – Implantes de Silicone nas Mamas.

     

    Dr. Zamarian Jr. utiliza prótese de silicone com revestimento de poliuretano (Silimed), que foi considerada pelo Comitê Europeu de Próteses como o melhor implante que existe.

     

    O que é o Silicone?

    O silicone ou dimetilpolisiloxano, é um derivado do silício, um elemento semelhante ao metal que, quando combina-se com o oxigênio, forma a sílica, como é, por exemplo, o Quartzo. A sílica, quando aquecida e misturada ao carbono em alta temperatura, transforma-se em silício. Um processamento adicional converte o silício em um polímero, chamado de Silicone.

    Trata-se de uma substância considerada inorgânica e, por esse motivo, tem altíssima durabilidade. É inodoro, insípido, incolor e é resistente à decomposição pelo calor, água ou outros agentes oxidantes. Está disponível em forma líquida, em gel ou em consistência característica de uma borracha, conhecido também por elastômero de silicone. Na prática médica, o Silicone é um dos materiais mais inertes (não-reativos) dentre os que são utilizados.

     

    História da Evolução do Silicone na Cirurgia Plástica

    Em meados da década de 1940, algumas mulheres japonesas passaram a injetar substâncias como parafina, esponjas e silicone industrial nos seios para que eles pudessem ficar maiores.

    Passado algum tempo, com a ideia de se criar algo para dar volume às mamas, em 1960, os primeiros implantes de silicone (próteses silicone) para uso médico foram desenvolvidos por dois cirurgiões plásticos americanos. Os autores? Frank Gerow e Thomas Cronin.

    Timmie Jean Lindsey, em uma troca de favores com Frank Gerow, aceitou colocar os primeiros implantes mamários desenvolvidos no mundo, em troca de que ele operasse suas orelhas. Foi ela então a primeira mulher a realizar a Cirurgia Plástica de Mamoplastia de Aumento, também conhecida por Cirurgia de Implantes de Silicone (Prótese Silicone), que, apesar de todo “glamour” por ter esse título, conta que teve contratura grave e passou por muita dor. Isso tudo aconteceu por um simples motivo: as Próteses de Silicone eram produzidas com um revestimento de silicone e uma esponja de silicone preenchendo seu interior.

    Desde então, várias modificações foram sendo feitas à prótese de silicone, inclusive o revestimento, também conhecido por ‘envelope’, ficou mais fino e a esponja foi trocada por silicone gelatinoso, que confere ao conjunto um visual mais natural, muito mais próximo do de um seio natural, sem deixar o aspecto artificial.

    Atualmente, os implantes de silicone são produzidos com silicone em gel de alta coesividade, tendo seu envelope extremamente reduzido em termos de espessura, agora ainda com revestimento em espuma de poliuretano que evita a contratura capsular, entre outras complicações.

    A Prótese de Silicone utilizada pelo Dr. Zamarian Jr. é de altíssima qualidade, da marca Silimed e foi considerada, recentemente, pelo Comitê Europeu de Prótese de Silicone, a melhor Prótese de Silicone do mundo. Sem dúvidas, uma segurança para quem recorre à Clínica Zamarian quando decide aumentar os seios.

     

    Prótese Silicone – Implante de Silicone – Mamoplastia de Aumento

    Várias partes do corpo podem se beneficiar com o implante de silicone, quais sejam, as mamas (Mamoplastia de Aumento – Implante de Silicone nos Seios), os glúteos (Gluteoplastia), o queixo (Mentoplastia com Prótese de Silicone Sólida) e as panturrilhas (Implantes de Silicone de Panturrilhas).

    Prótese de Silicone TexturizadaPorém, a Cirurgia Plástica de Prótese Silicone nas mamas (Mamoplastia de Aumento) tem ganhado destaque dentre essas, tornando-se uma das Cirurgias Plásticas mais procuradas e realizadas nos últimos anos no Brasil. Em 2012, foram 110 mil procedimentos, segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).

    Com a prótese silicone, pacientes que não estão satisfeitas com suas mamas, sendo no tamanho, formato ou como elas se projetam, podem rapidamente resolver seu problema e aumentar sua autoestima. Há muitas opções técnicas para se realizar Cirurgia das Mamas com Prótese Silicone, muitas das quais têm sido aperfeiçoadas pelo Dr. Zamarian Jr.. O objetivo da cirurgia plástica de prótese de silicone é melhorar a forma e volume das mamas, remodelando-as para que adquiram um aspecto atraente, firme e proporcional.

    Dr. Walter Zamarian Jr., membro das Sociedades Brasileira e Americana de Cirurgia Plástica, tem desenvolvido grande reputação por realizar Cirurgia Plástica de Prótese de Silicone de Mama com excelentes resultados em sua Clínica em Londrina, Paraná, Brasil. A cirurgia de prótese de silicone nas mamas tem se tornado menos invasiva, mais rápida e eficaz quando se trata de criar mamas joviais e com um lindo e sensual perfil.

     

    Qual a diferença entre Prótese e Implante?

    Em termos gerais, a Prótese é um objeto usado para substituição de um membro, na sua totalidade ou em parte, por uma peça artificial, quando ocorre a extração ou amputação do mesmo. Por exemplo: uma pessoa sofre um trauma que acarreta perda de uma de suas mãos. Uma das alternativas é utilizar uma prótese de mão, feita de material sintético que pode ter, inclusive, movimentos estimulados pelos músculos que restaram no coto da amputação. Dessa forma, uma Prótese de Mama, seria, na realidade, um material sintético que seria semelhante à outra mama e teria função de cobrir a sequela de um trauma.

    Por outro lado, o implante é o objeto acrescentado ou introduzido em alguma região do corpo. No caso do Implante de Silicone nas Mamas, por exemplo, o que se acrescenta é o volume, pois a mama já existe, obtendo, então, somente um volume maior.

    Portanto, o termo correto a ser usado quando tratamos da Cirurgia Plástica de Mamoplastia de Aumento é: Implante de Silicone e não Prótese de Silicone. Porém, o uso do termo ‘Prótese de Silicone’ para se referir à Cirurgia de Mamoplastia de Aumento ou de Implantes de Silicone se popularizou. Atualmente, principalmente pessoas da área médica utilizam o termo Implante de Silicone para se referir à cirurgia de silicone.

     

    Indicação: Quando está indicada a Cirurgia Plástica de Prótese Silicone nos Seios?

    A Cirurgia de Prótese de Silicone já pode ser realizada a partir dos 15 anos de idade. A exceção a isto fica para os casos quando a primeira menstruação não ocorre até a presente idade, devendo então a Cirurgia de Prótese de Silicone ser adiada para depois da ocorrência da menstruação, pois é com a menstruação que se completa a maturidade das mamas. Importante ressaltar também que para mulheres com aréolas muito baixas ou com flacidez importante nas mamas, a indicação seria não somente a colocação da prótese, mas sim passar por uma Mastopexia com Prótese de Silicone – Cirurgia em que as mamas são levantadas e a Prótese de Silicone é colocada simultaneamente.

    Prótese de Silicone Mamária LisaDessa forma, considerando a idade mínima ideal, a Cirurgia de Prótese Silicone já pode ser realizada em pacientes que apresentam amastia (ausência congênita das mamas), hipomastia (pouca mama ou mamas muito pequenas), assimetria (desigualdade entre as mamas), flacidez de mamas, seios tubulares, seios caídos (juntamente com a Mastopexia), seios com formas inestéticas, seios com distância entre si, como outras imperfeições.

    Tanto os casos de amastia quanto de hipomastia, o tratamento é realizado com Implantes de Silicone de mesmo volume, bem como na maioria dos casos de flacidez.

    Já nos casos de tratamento de assimetria mamária mais acentuada, com Próteses de Silicone, muitas vezes utilizamos Implantes de Silicone de tamanhos diferentes para igualar as mamas. Como alternativa a esse tratamento, realizamos uma Cirurgia de Mastopexia (correção mamária através da retirada do excesso de pele), retirando mais volume do lado maior para igualar as mamas, podendo, assim, colocar Próteses de Silicone do mesmo tamanho, diminuindo a assimetria existente.

    Mais recentemente, algumas pacientes que desejam reduzir e levantar as mamas, através da mamoplastia redutora, têm optado por colocar silicone para ter dois efeitos principais: mamas firmes e com colo. Hoje em dia, a procura por mamoplastia redutora com prótese de silicone Londrina tem sido de, aproximadamente, 25% das pacientes que procuram para reduzir os seios. Quem deseja uma mudança maior no volume e o resultado de seios pequenos opta por não utilizar o silicone. Quando a prótese de silicone é associada à mamoplastia de redução dos seios, o volume final das mamas pode ter apenas uma pequena alteração, para mais ou para menos, porque os implantes de silicone podem ter um peso e volume aproximado do tecido que é retirado nessa cirurgia. Mamas submetidas à redução sem silicone são menos firmes, a projeção do polo superior é menor, porém tem a vantagem de não necessitarem de outra intervenção cirúrgica (para trocar os implantes, por exemplo).

    Consulte Dr. Zamarian Jr. em sua Clínica de Cirurgia Plástica em Londrina, Paraná, para obter a melhor avaliação do seu caso para Prótese de Silicone nos Seios, Mamas.

     

    Pré-operatório: Antes da Cirurgia de Protese de Mama

     

    Classificação dos Implantes Mamários de Silicone (Prótese de Silicone)

    Seios Lindos em LondrinaOs Implantes Mamários de Silicone foram desenvolvidos com a finalidade de aumento do volume, correção ou reconstrução dos seios. Existem diversos tipos de implantes mamários com determinadas características direcionadas a atender as diferentes necessidades de cada cirurgião. As próteses (Implantes Mamarios) utilizadas pelo Dr. Zamarian Jr. são constituídas por membrana fina de elastômero de silicone e preenchidas por gel de silicone de alta coesividade e com revestimento externo de espuma de poliuretano, da marca Silimed.

    Os Implantes de Silicone são classificados por: tipo de superfície, perfil e formato.

    São três os tipos de superfícies que os Implantes de Silicone podem apresentar:

    • superfície lisa: os Implantes de Silicone com superfície lisa geralmente são utilizados pelo Dr. Zamarian Jr. na Gluteoplastia e na Cirurgia de Implante de Panturrilha;
    • superfície texturizada: os Implantes de Silicone com superfície texturizada são tecnicamente mais fáceis de serem introduzidos, mas eles dão como resultado uma mama mais móvel, podendo pesar sobre a mama, aumentando a chance de ptose (queda) das mamas;
    • superfície revestida com espuma de poliuretano: os Implantes de Silicone de superfície revestida com espuma de poliuretano são tecnicamente mais difíceis de serem colocadas e aderem bastante aos tecidos vizinhos. Não pesam sobre as mamas depois de serem colocadas, não causando, assim, ptose mamária e possuem as menores taxas de contratura (rejeição), sendo assim, as consideradas mais seguras;

    Bem como podem apresentar os seguintes perfis:

    • baixo: geralmente é utilizado na Cirurgia de Reconstrução de Mamas, tendo em média o volume utilizado entre 500 e 800 mL, uma vez que, na Cirurgia de Reconstrução de Mama se necessita recompor o volume completo de uma mama;
    • moderado: é perfil o mais utilizado na Clinica Zamarian, sendo o mais recomendado por ter os melhores resultados e os mais previsíveis;
    • natural ou anatômico: nunca foi utilizada pelo Dr. Zamarian, tendo em vista que é um perfil de Protese que não proporciona colo e é muito larga em relação à sua projeção;
    • natural ou anatômico extra-projeção: é um perfil utilizado com menos frequência pelo Dr. Zamarian, ficando reservado a pacientes muito magras e que necessitam de pouco volume.

    * Mudanças recentes nos formatos das próteses de silicone da Silimed fizeram com que antes a divisão de perfil baixo e alto, passasse à atual divisão de perfil em: baixo, moderado, alto e extra-alto. O que equivalia antes ao perfil alto, hoje chamamos de perfil moderado. O perfil mais utilizado pelo Dr. Zamarian Jr. atualmente é o moderado, ou MD.

    Podem ter os seguintes formatos:

    • redondo: é o formato de Protese mais utilizado. Serve para melhorar o aspecto das mamas em todas as direções, inclusive no polo superior, dando colo as mesmas;
    • natural ou anatômico: também conhecido como ‘Protese em gota’, Dr. Zamarian Jr. recomenda seu uso no perfil Extra-Projeção somente até o volume de 215 mL, caso contrário, ela deixa um aspecto achatado nas mamas, deixando-as muito ‘bicudas’;

    Por fim, está disponível o Implante Mamário com o diferencial em seu desenho

    Dr. Zamarian Jr. e Dr. Cláudio RebelloA Silimed dispõe do Implante Mamário de Silicone revestido com espuma de poliuretano Pintaguy/Rebello que se diferencia da revestida com espuma de poliuretano por possuir corte diverso: a borda do Implante foi especialmente desenhada para não marcar em pacientes mais magras e de pele fina.

    À direita, Dr. Walter Zamarian Jr. e Dr. Cláudio Rebello, idealizador da prótese de silicone Pitanguy/Rebello, e que homenageou o Professor Pitanguy em sua criação.

     

    O que é a coesividade do Silicone em Gel?

    A coesividade é uma característica das moléculas do silicone em gel têm de se manterem ligadas umas às outras, não permitindo que o gel escorra, caso a prótese de silicone se rompa.

    Um engano comum é dizer que coesividade é sinônimo de rigidez, porém, um silicone em gel para ser de alta coesividade não é, necessariamente, duro.

     

    Poliuretano: os Implantes Mamários Pitanguy/Rebello

    A Prótese Silicone utilizada atualmente na Clínica Zamarian Jr. é constituída por membrana fina de elastômero de silicone e preenchidas por gel de silicone de alta coesividade e com revestimento externo de espuma de poliuretano. A alta coesividade proporciona mais segurança em razão de não deixar que o silicone se espalhe pelo corpo em lugares indesejados no caso de ruptura, como era comum no início da introdução da Prótese de Silicone no Brasil há mais de 30 anos.

    O diferencial da Prótese de Silicone revestida com espuma de Poliuretano Pitanguy/Rebello está em seu design: a borda do Implante foi especialmente desenhada para não marcar em pacientes mais magras e de pele fina, pois sua costura não fica aparente nem palpável. É por este motivo que o Dr. Zamarian Jr. utiliza os Implantes Mamários revestidos com espuma de poliuretano Pintaguy/Rebello, da marca Silimed, em todas suas Cirurgias de Implantes de Silicone.

    Além disso, a Prótese Silicone revestida com espuma de poliuretano possui a menor taxa de contratura do mercado e é uma tecnologia nacional. Os Implantes de Silicone da Silimed, utilizados pelo Dr. Zamarian Jr., têm dez anos de garantia contra contratura (“rejeição”). Como se não bastasse, o Comitê Europeu de Prótese de Silicone considerou o Implante de Silicone da Silimed (Indústria Brasileira) com gel de alta coesividade e revestimento de poliuretano a melhor Prótese do mundo.

    Em sua consulta médica, a paciente deve transmitir ao médico qual o resultado que deseja e o tamanho da Prótese Silicone é escolhido em conjunto com a paciente, que prova os tamanhos com moldes no consultório para tentar visualizar o resultado mais perto da realidade. O resultado é um índice cada vez maior de satisfação com a cirurgia de protese silicone.

     

    Diferentes Marcas de Prótese de Silicone

    Como já foi mencionado, Dr. Zamarian Jr. utiliza apenas prótese de silicone da Silimed com revestimento de poliuretano (tecnologia nacional e considerada a melhor do mundo pelo Comitê Europeu de Prótese de Silicone). Entretanto, vamos listar aqui as diversas marcas de implantes de silicone para que você tenha conhecimento (somente a Silimed produz poliuretano):

    Arion – França

    Eurosilicone – França

    Silimed – Brasil

    Mentor – Estados Unidos

    Mcgahn – Estados Unidos

    Perthese – França

     

    A Escolha do Tamanho da Prótese Silicone a ser colocada

    Durante a consulta, é muito comum a dúvida sobre o tamanho da Prótese Silicone a ser colocada. Como ter certeza?

    Escolha sua Prótese de SiliconePrimeiramente, cabe à paciente explicar com detalhes como imagina e como gostaria que ficasse, sendo clara quanto ao resultado que deseja atingir. Existem vários tamanhos de Prótese Silicone, sendo que alguns tamanhos combinam melhor com cada anatomia. Assim, a informação mais importante a ser transmitida para o cirurgião plástico é se o resultado desejado consiste em mamas mais aparentes ou mamas menores e mais naturais, sem deixar de serem proporcionais.

    Em seguida, o cirurgião irá avaliar a anatomia da paciente, a largura de seu tórax, sua estatura e peso, a largura da base da mama, o tamanho das aréolas, a quantidade de pele e a espessura da derme, além da quantidade de glândula mamária que irá cobrir a Prótese Silicone.

    Na Clínica Zamarian, os tamanhos de próteses silicone utilizados até meados de 2011 eram: 215, 235, 255, 285, 305, 325, 355, 385, 435, 485, e 525 mL, sendo que a maioria ficava entre 285 e 385, porém a Silimed reformulou os tamanhos das próteses de silicone:

    Mudança nos Tamanhos das Próteses de Silicone da Silimed

    Em 2011, a Silimed reformulou sua tabela de tamanhos e perfis. Os perfis que antes eram divididos em alto e baixo, passaram a ser: baixo, moderado, alto e extra-alto. Os tamanhos passaram a ser: 220, 240, 255, 280, 335, 390, 440 e 505 mL, no perfil moderado (MD), que é o mais utilizado pelo Dr. Zamarian Jr., e equivale ao perfil alto de antigamente. Não existem mais tamanhos intermediários, como 305 e 355 mL. Os implantes de silicone no modelo novo passaram a ser um pouco mais estreitos e um pouco mais projetados, ficando mais atraentes.

    Dentre as Próteses mais utilizadas pelo Dr. Zamarian, as de volume 280, 335 e 390 mantém, relativamente, a mesma proporção, sendo indicadas para a maioria das mamas. Como já foi mencionado, as próteses 305 e 355 deixaram de existir.

    Dr. Walter Zamarian Jr. prefere escolher o tamanho da Prótese Silicone juntamente com a paciente, dias antes da cirurgia e, durante a consulta, ele utiliza vários moldes de silicone para que a paciente possa ter mais noção e realizar esta escolha sem errar, dando à paciente sua sugestão de acordo com sua anatomia e expectativa de resultado.

     

    A Escolha do Formato da Prótese Silicone a ser colocada

    Em praticamente todas as pacientes, Dr. Zamarian Jr. coloca a Prótese Silicone gel de alta coesividade da Silimed, com formato redondo, de perfil moderado, que equivale ao perfil alto de antigamente, com revestimento de espuma de poliuretano do tipo Pitanguy-Rebello, a exemplo do professor Pitanguy.

    Os implantes anatômicos, em sua experiência, perdem em projeção do polo superior e têm sua indicação restrita a poucos casos selecionados.

    As indicações variam dependendo do caso: Dr. Zamarian Jr. irá avaliar as condições da paciente para indicá-la o melhor formato de Prótese de Silicone possível.

     

    Prótese de Silicone Cônica da Silimed

    Ter seios empinados e com aspecto natural é o sonho de muitas mulheres, e desde 2008 esse desejo se tornou realidade pelas mãos de um brasileiro. O cirurgião plástico Noel Lima desenvolveu um modelo de próteses de silicone em formato cônico em parceria com a indústria brasileira Silimed, a única a produzir esse modelo no mundo. O implante é hoje exportado para mais de 70 países e utilizado por cirurgiões de todo o Brasil. Em Londrina, Dr. Walter Zamarian Jr. integra a lista de profissionais que têm as próteses cônicas como opção para as pacientes.

    A grande vantagem da prótese de silicone cônica da Silimed é que ela dá projeção à mama sem aumentar o volume nas laterais. Uma excelente opção para mulheres com ombros estreitos, para quem apresenta flacidez, amamentou ou perdeu peso de forma significativa e viu o volume dos seios reduzirem.

    O aspecto natural desse formato tem atraído cada vez mais a atenção e escolha de pacientes e cirurgiões pelo mundo. Como ela tem o foco na projeção, não é preciso grandes volumes de prótese para buscar o tamanho desejado. Os volumes comercializados são dos mais variados, dos 135 ml aos 435 ml (maiores sob encomenda). A escolha se esse formato é ideal é feita durante a consulta em conversa entre cirurgião e paciente – analisando desejo e biotipo.

    Um detalhe muito importante sobre as próteses de silicone cônicas é que, na maioria das vezes, Dr. Zamarian Jr. prefere a via submuscular para colocá-las. O resultado? Infinitamente mais natural. Dessa forma, os seios não perdem a projeção ao se colocar os implantes abaixo dos músculos peitorais, o que ocorreria com os implantes redondos, providos de menor projeção.

     

    Na Frente ou Atrás do Músculo Peitoral?

    Prótese Silicone Seios Retroglandular RetromuscularUm dos pontos a serem esclarecidos durante a consulta médica para realizar a Cirurgia de Prótese Silicone, sem dúvidas, é onde vai ficar o Implante Mamário. Existem duas possibilidades: colocar a Prótese de Silicone na frente do músculo peitoral ou atrás do músculo peitoral, também conhecidos por implantes mamários retroglandular e retromuscular, respectivamente.

    Usualmente, Dr. Zamarian Jr. prefere colocar a prótese silicone na frente do músculo peitoral maior, ficando esta atrás da glândula mamária, por apresentar um resultado com maior projeção, com menor dor e complicações no pós-operatório.

    Em casos selecionados, a opção pela prótese silicone retromuscular, ou seja, atrás do músculo, acaba sendo a melhor, como, por exemplo, quando proporciona um contorno mais natural em pacientes muito magras e com pouca glândula mamária para cobrir a Prótese de Silicone. Nesses casos, a prótese cônica pode ser uma boa opção.

    Eventualmente, em algumas pacientes, o músculo peitoral muito espesso pode começar a se projetar anteriormente já em seu terço superior após a colocação da prótese de silicone. Dessa forma, a colocação da Prótese de Silicone retromuscular faz com que se tenha impressão de que o início da mama é muito alto, resultando em um aspecto artificial. Esse é um dos motivos pelos quais Dr. Zamarian Jr. prefere o espaço retroglandular, em frente ao músculo peitoral maior nas pacientes com músculo peitoral muito espesso, como no caso de pacientes que malham muito.

     

    Exames solicitados pelo Dr. Zamarian Jr. para a Cirurgia Plástica de Prótese de Silicone nos Seios

    Antes de se realizar a cirurgia plástica de implantes de silicone, é necessária a realização de alguns exames, para maior segurança do procedimento:

    • hemgrama completo + plaquetaas
    • TAP com INR + KPTT
    • uréia
    • creatinina
    • glicemia de jejum
    • proteínas totais e frações
    • urina I
    • eletrocardiograma
    • risco cirúrgico (avaliação com cardiologista)
    • ultrassom para idade abaixo de 35 anos e mamografia para idade acima

     

    A Cirurgia de Implantes de Silicone nos Seios (Prótese de Silicone nas Mamas)

     

    Os Tipos de Incisão da Cirurgia Plástica de Prótese Silicone nos Seios

    Existem locais alternativos para se realizar a incisão da cirurgia plástica de prótese de silicone nos seios, incisão esta que permitirá a entrada da Prótese de Silicone. São elas:

    • Periareolar Inferior (ou Incisão de Webster): é a incisão localizada na borda inferior da aréola, acompanhando seu formato, em meia-lua. Não interfere na sensibilidade das aréolas da mesma forma que através da Incisão no Sulco Inframamário, pois quem determina a sensibilidade é o quarto nervo intercostal e não a via de acesso. Nos casos em que a paciente sabidamente tem uma tendência a cicatrizes hipertróficas ou quelóides, a Incisão Periareolar Inferior (ou Incisão de Webster) é a de escolha por produzir os melhores resultados;
    • Sulco Inframamário: esta incisão tem como vantagem não deixar cicatrizes nas aréolas, mas o seu resultado estético pode ser bom ou não, dependendo muito do organismo da paciente, que pode ter uma tendência a fazer uma cicatriz hipertrófica. Quando resultar em uma cicatriz inestética,  o seu tratamento pode se tornar difícil;
    • Vertical: a Incisão Vertical vai desde a borda inferior da aréola até o sulco inframamário. É somente utilizada nos casos de Cirurgia Plástica de Mastopexia ou de Mamoplastia Redutora com Prótese de Silicone, por fornecer abertura maior para colocação do implante;
    • Transareolopapilar (Técnica Pitanguy): este procedimento é realizado através de uma incisão horizontal que divide a aréola e o mamilo (papila) ao meio. Técnica esta que foi desenvolvida pelo professor Ivo Pitanguy com o objetivo de não lesionar os ductos lactíferos mamários, porém, resulta em uma cicatriz horizontal que pode chamar atenção em mamas com aréolas escuras. No caso de uma necessidade posterior de Mastopexia ou Mamoplastia Redutora, a mama operada teria, além das cicatrizes exigidas pela Mamoplastia, também essa cicatriz horizontal que poderia ter sido evitada se a técnica de escolha tivesse sido a Periareolar Inferior;
    • Axilar: esta incisão é realizada na axila, seguida de um descolamento do músculo peitoral maior. Não é utilizada pelo Dr. Zamarian Jr. por ter as seguintes desvantagens: é uma incisão longe da área de colocação da prótese deixando a paciente mais vulnerável quanto ao risco de hemorragias e de posicionamento assimétrico das próteses. A cicatriz na axila – por ser uma região de dobras – costuma ter um resultado inestético e aparecer quando a paciente levanta os braços, exigindo ainda a Cirurgia de Prótese de Silicone com Incisão Axilar um tempo maior para sua realização em comparação aos outros tipos de Incisões por requerer endoscopia para visualizar as estruturas. Por fim, está comprovado que a axila, por ser uma região potencialmente contaminada, fica suscetível a infecções.
    • Umbilical (técnica de TUBA): a incisão T.U.B.A. (transumbilical breast augmentation – aumento de mama trans-umbilical) ou incisão no umbigo é feita na margem do umbigo. Após feita a incisão, com a ajuda de um o endoscópio, cria-se um caminho, como se fosse um túnel, através da gordura subcutânea por todo o caminho até a mama. O implante inflável, ainda murcho, é enrolado e puxado através do túnel até o local. Feito isso, o implante inflável é preenchido com soro fisiológico (solução salina) e posicionado corretamente, finalizando então, o médico, com a sutura. Este tipo de incisão é muito rara aqui no Brasil, sendo bastante utilizada nos Estados Unidos. Dr. Zamarian Jr. aponta algumas desvantavens dessa técnica, dentre as quais, o procedimento exige implantes infláveis, não sendo possível utilizar-se de Prótese de Silicone gel de alta coesividade; na TUBA, os Implantes de Silicone só conseguem ser posicionados atrás do músculo peitoral; e por fim, no caso de complicações, a incisão umbilical não permite ser reutilizada, ou seja, o cirurgião plastico deverá fazer nova incisão para trabalhar com os implantes.

    A melhor via de incisão para prótese silicone é discutida na consulta, entre Dr. Zamarian Jr. e a sua paciente, para que assim, possam obter o melhor resultado para cada caso.

    A incisão mais utilizada pelo Dr. Zamarian Jr. para a colocação da Prótese Silicone é a no sulco inframamário, que resulta em uma cicatriz escondida e que se disfarça bem. Quando o levantamento das mamas é associado ao Implante de Silicone, as Proteses de Silicone são colocadas via Incisão Vertical, a qual faz parte da Cirurgia de levantar as mamas (Mastopexia), como dito anteriormente.

    Cada país tem sua preferência com relação às vias de incisão para por a Prótese de Silicone. O maior exemplo está nos Estados Unidos, que têm utilizado principalmente a Incisão Umbilical, ou seja, pelo umbigo, os Implantes Infláveis que são posteriormente preenchidos com Soro Fisiológico (solução salina). Apesar de terminar em cicatriz menor, esta técnica proporciona uma mama muito mais móvel, podendo a Prótese Mamária de solução salina pesar mais sobre as mamas, aumentando a chance de flacidez e estrias, com resultados não tão bons quanto aos comparados ao Implante de Silicone gel de alta coesividade, o qual não permite colocação pelo umbigo.

    Nós, brasileiros, contamos com a vantagem de ter desenvolvido a tecnologia do poliuretano e do silicone gel de alta coesividade. Esta tecnologia resulta em mamas mais firmes, com a colocação da Prótese Silicone com a mais baixa taxa de contratura (rejeição), além de o implante se aderir mais aos tecidos vizinhos, diminuindo risco de flacidez e estrias. Não à toa, cada vez mais pacientes internacionais têm recorrido à Clínica Zamarian para recorrer ao procedimento. Vale frisar que não é possível colocar esse tipo de Prótese Silicone pelo umbigo.

    Qualquer que seja a via de acesso escolhida, Dr. Zamarian Jr. garante que a Cirurgia Plástica de Prótese Silicone vai proporcionar resultado imediato e com grande melhora da autoestima.

     

    Anestesia Peridural Alta X Anestesia Local na Cirurgia Plástica de Implantes de Silicone

    Anestesia para Prótese de Silicone nos SeiosA anestesia peridural alta é feita com uma só punção na região dorsal com a paciente deitada de lado e já sedada. Essa anestesia faz um bloqueio sensitivo em uma grande região que engloba desde a clavícula e vai até o umbigo, sem bloqueio motor. Por esse motivo, não interfere nos músculos da respiração.

    Já na anestesia local, é necessário realizar um bloqueio intercostal em pelo menos três a cinco arcos costais (costelas). Esse bloqueio é feito com anestesia rente às costelas em seu bordo inferior. O polo súpero-medial normalmente não consegue ser anestesiado. A preferência do Dr. Zamarian Jr. é pela Anestesia Peridural alta por ser mais eficaz com apenas uma punção.

     

    A Cirurgia Plástica de Implantes de Silicone (Prótese Silicone)

    Antes de se iniciar a Cirurgia, é feita a Anti-Sepsia da paciente, na rotina da Clínica Zamarian, com clorexidina degermante, seguida de álcool a 70%, para que não haja alergia ao iodo do PVPI (Povidine).

    Mamas com Prótese de SiliconeInicia-se a Cirurgia de Prótese Silicone com a paciente sob anestesia (peridural ou local) e sedação. Dr. Zamarian Jr. faz a incisão e cria um espaço, normalmente retroglandular, para colocação da Prótese de Silicone. A hemostasia ou cauterização é feita cuidadosamente com o bisturi elétrico para evitar sangramentos futuros.

    Durante o procedimento, é colocado um dreno de aspiração bem fino, que se exterioriza pelas axilas para permitir que a Prótese de Silicone fique sempre seca, pois o organismo tem a tendência a acumular cerca de 100ml de líquido em cada espaço criado para a colocação dos implantes de silicone nas primeiras 24 horas.

    A Prótese Silicone é, então, introduzida pela abertura na pele usando-se o princípio da ampulheta (pois a abertura é menor que o diâmetro do implante de silicone), e acomodada confortavelmente no seu lugar criado pelo Dr. Walter Zamarian Jr.

    A sutura interna (fechamento interno) da incisão é feita com o fio de sutura VICRYL (subcutâneo e subdérmico), composto pelo Ácido Poliglicólico, que é sintético e absorvível, desaparecendo do organismo em três meses. A parte externa é selada com Cola de Cianoacrilato, que chega a ser sete vezes mais forte que os pontos simples convencionais, além de mais segura e de permitir uma cicatriz esteticamente melhor.

     

    O Dreno Aspirativo e a Cola de Cianoacrilato: Diferenciais da Cirurgia Plástica de Prótese de Silicone feita pelo Dr. Zamarian

    Dreno Aspirativo, de Pressão Negativa

    O dreno aspirativo é um dispositivo composto de tubos semi-flexíveis finos acoplados a um sistema de pressão negativa, de tal forma que ele funciona mesmo se estiver acima do nível da paciente. É introduzido na paciente com o intuito de manter a Prótese sempre seca, diminuindo o líquido presente em volta da Prótese, uma vez que o organismo tem uma tendência a acumular cerca de 100 mL de líquido em cada mama nas primeiras 24h após colocação da Prótese de Silicone. O dreno é exteriorizado pela axila, não deixando marcas depois e que permite que a Prótese esteja seca no dia seguinte, reduzindo drasticamente a incidência de complicações, como estrias, infecções e contratura (rejeição).

    Dr. Zamarian Jr. utiliza a cola de Cianoacrilato para fechar a parte externa da Cirurgia da Prótese de Silicone nas Mamas em vez de dar pontos. “Dessa forma, a cirurgia não apresenta marca de pontos após a cicatrização, além de o fato de a cola conferir melhor resultado estético e maior segurança à cirurgia, pois nenhuma bactéria consegue crescer na Cola de Cianoacrilato”, explica. No Brasil, ela é comercializada pela Johnson&Johnson com o nome de Dermabond. A Cola de Cianoacrilato pode cair sozinha em até três semanas. Caso isso não ocorra, Dr. Zamarian Jr. irá removê-la no consultório.

    Cola de Cianoacrilato

    A Cola de Cianoacrilato foi recentemente introduzida na Cirurgia Plástica e são poucos os cirurgiões que a utilizam. Tem como características principais:

    • facilidade de aplição;
    • reduz o tempo da cirurgia;
    • diminui o risco de infecções (bactérias não crescem na cola, e ela sela a cicatriz);
    • chega a ser sete vezes mais forte que os pontos simples na pele;
    • tem um melhor resultado estético (não deixa marcas de pontos na pele e resulta em uma cicatriz mais fina);
    • é esteticamente mais atraente que a presença dos pontos;
    • praticamente não permite o extravasamento de sangue que suja os curativos no pós-operatório;
    • sua retirada, quando necessária, é praticamente indolor.

     

    Pós-operatório: Depois da Cirurgia Plástica de Prótese de Silicone

     

    Os cuidados Pós-operatórios da Cirurgia Plástica de Protese Silicone Londrina, Paraná

    A recuperação da Cirurgia de Prótese Silicone é bastante rápida, praticamente sem complicações. Com a Cola de Cianoacrilato em vez de pontos na parte externa, não há necessidade de retirar pontos.

    A Cirurgia Plástica de Prótese Silicone é bem tranqüila e normalmente é realizada na parte da manhã, sendo que a paciente é internada 2 horas antes da Cirurgia. As pacientes que realizam a Cirurgia Plástica de Implantes de Silicone permanecem internadas até a manhã seguinte, completando, no total, 24 horas de internação. É na manhã seguinte que Dr. Walter Zamarian Jr., em sua visita habitual, retira o dreno aspirativo e também troca os curativos da paciente, ocasião em que ela recebe alta e pode ir para casa, devendo tomar alguns cuidados que são recomendados no pós-operatório.

    As orientações do pós-operatório são:

    • Rosa-mosquetaA Hidratação da Pele das Mamas: a hidratação da Pele das Mamas pode ser feita com o Óleo de Rosa-Mosqueta, com a recomendação de ser iniciada logo nos primeiros dias após a Cirurgia. Dr. Zamarian Jr. recomenda que a paciente não passe o Óleo de Rosa-Mosqueta muito próximo da Cola de Cianoacrilato, a fim de evitar seu descolamento precoce. A aplicação do Óleo de Rosa-Mosqueta deve ser feita à noite antes de dormir, com a pele bem limpa. Pinga-se algumas gotas do óleo sobre a região a ser hidratada, espalhando sempre com movimentos circulares e massageando delicadamente até que ocorra sua total absorção. Nos casos de peles muito secas e frágeis, o recomendado são duas aplicações diárias. Preferencialmente, a paciente não deve se expor ao sol quando aplicar o produto sobre a pele;
    • • O Curativo: a paciente não deve molhar os curativos até o primeiro retorno ao consultório, que normalmente acontece por volta do terceiro dia após realizada a cirurgia;
    • O Soutien (Sutiã): o sutiã recomendado no pós-operatório é um soutien sem costura, geralmente com corte feito a laser, que seja confortável, que não aperte os seios, não devendo ter aro ou bojo, sendo usado somente para dar conforto às mamas, pois ele não tem, nesse caso, função de sustentação. Deverá ser utilizado por dois meses (60 dias);
    • O Fumo: a paciente não deve fumar quinze dias antes e nem quinze dias depois de realizada a cirurgia;
    • A Dieta: totalmente livre. A alimentação deverá continuar normalmente, como de costume da paciente. Isso inclui dizer que comer ovo, peixe, carne de porco e chocolate está autorizado;
    • O Sol: eis, aqui, uma importante ressalva. A paciente que realizou a Cirurgia deve evitar o sol por seis meses, sendo que após o terceiro mês fica autorizado pegar o sol do começo da manhã (das 8h às 10h) e do final do dia (a partir das 16h) com filtro solar fator 30 ou 40 nas cicatrizes.
    • O Descanso: nos primeiros 30 dias de Cirurgia a paciente deverá dormir de barriga para cima. Passado o primeiro mês da Cirurgia, a paciente poderá dormir de lado e é só a partir do segundo mês que poderá dormir de bruços;
    • As Atividades Físicas: até o primeiro mês não é recomendável carregar peso e nem realizar esforços físicos. A paciente deve evitar realizar atividades físicas leves no primeiro mês, tendo sempre em mente que as atividades mais pesadas, ficam autorizadas somente após o segundo mês;
    • O Ambiente: dar sempre preferência a ambientes frescos, com ar-condicionado, se possível, lembrando sempre que o calor faz aumentar o inchaço dos seios;
    • O Movimento dos Braços: Como a própria paciente é operada com os braços abertos, depois da Cirurgia de Prótese Silicone, pode-se realizar os movimentos todos com os cotovelos abaixo do nível dos ombros. Pode-se, inclusive, pentear os cabelos e escovar os dentes.
    • A Direção: é somente nas três primeiras semanas após feita a cirurgia que a paciente não deve dirigir;

    Após um mês, Dr. Zamarian Jr. já deixa liberado que a paciente durma de lado, faça caminhadas leves, ande de bicicleta, dirija (após 3 semanas), levante os braços, carregue pesos leves (até 10 kg) e namore. Em dois meses, pode-se realizar qualquer atividade física, inclusive academia com peso. Lembrando sempre que o uso do soutien cirúrgico se faz necessário por dois meses após a Cirurgia Plástica.

     

    O que acontece no pós-operatorio de quem não tem pele suficiente para o tamanho da Prótese de Silicone colocada?

    Normalmente, durante a Cirurgia Plástica, o sulco inframamário é refeito e sua nova posição é cerca de 2 a 4 cm abaixo do sulco original. A maioria das pacientes não tem, nessa região, pele suficiente para dar o contorno final necessário à Prótese de Silicone. Dessa forma, a Prótese exercerá uma pressão de dentro pra fora, na pele daquela região, que sofrerá um processo de expansão e ao longo de 2 a 6 meses haverá pele suficiente para se dar contorno arredondado e atraente ao polo inferior da mama com Prótese de Silicone.

     

    Como o Cigarro interfere na Cicatrização?

    Cigarro e Prótese de SiliconeA paciente decidida a realizar qualquer Cirurgia Plástica, inclusive a de Aumentar os Seios colocando Prótese de Silicone, deve ficar longe do cigarro. Uma pergunta recorrente: mas nenhum cigarro, doutor? Nenhum, pois tanto um quanto vinte cigarros ao dia tem a mesma interferência na cicatrização. Evite.

    O cigarro fecha a microcirculação, diminuindo o aporte, ou seja, a chegada do sangue na cicatriz, reduzindo dessa forma a formação de tecido cicatricial, atrasando o inteiro processo de cicatrização e de recuperação. Importante ressaltar: o Cirurgião Plástico, com olhos treinados, consegue perceber facilmente a interferência do cigarro da cicatrização, pois a cicatriz fica caracterizada por bordos avermelhados, inchados e um pouco afastados.

     

    A Amamentação e a Cirurgia Plástica de Prótese de Silicone. É possível?

    De um modo geral, a colocação da Prótese de Silicone não interfere na amamentação, sobretudo pela abordagem no sulco inframamário, que não secciona ducto algum durante a colocação dos implantes mamários.

    Contudo, é recomendado que a paciente espere aproximadamente seis meses após encerrar o período de amamentação para realizar a Cirurgia de Aumento das Mamas.

     

    Câncer de Mama e a Prótese de Silicone

    A insegurança das pacientes que vão realizar a Cirurgia de Implantes de Silicone é totalmente compreensível quando estamos tratando do câncer de mama, pois segundo dados do INCA (Instituto Nacional do Câncer), o câncer de mama é o segundo tipo de carcinoma mais frequente no mundo. Além disso, é mais comum entre as mulheres, as quais respondem por 22% dos novos casos, a cada ano.

    Câncer de Mama em LondrinaPorém, a boa notícia é que, em relação à Cirurgia Plástica de Implantes de Silicone tendo em vista o câncer de mama, as pacientes não têm muito com o que se preocupar além de se manterem sempre em dia com seus exames.

    Em trabalho científico confiável, publicado há mais de 5 anos, foi comprovado que a colocação de Prótese Silicone nas Mamas faz com que nosso organismo recrute um número maior de células de defesa, pelo fato de Implante de Silicone ser um corpo estranho. Essas mesmas células de defesa servem como responsáveis por exterminar um câncer de mama em sua fase inicial. Dessa forma, se existe alguma relação entre a Prótese Silicone e o Câncer de Mama, esta relação é considerada boa, pois havendo uma maior população de células de defesa nas mulheres com Prótese de Silicone com capacidade de impedir o desenvolvimento de um câncer, suas chances de defesa são maiores até de uma que não tenha realizado a Cirurgia Plástica.

    E durante o tratamento do câncer de mama, o Implante de Silicone atrapalha?

    Dr. Zamarian Jr. explica que com as técnicas modernas que possuímos na atualidade, que englobam o tratamento do câncer de mama, quase não se deixam interferir pelo Implante Mamário após realizada a cirurgia. Porém, caso a Prótese de Silicone esteja muito próxima à lesão ou esteja atrapalhando o acesso ao tumor, ela poderá ser retirada temporariamente, até que se termine o tratamento.

     

    Exame de Mamografia com a ‘manobra de Eklund’ para mulheres que tem Prótese de Silicone

    A Mamografia e o Câncer de Mama

    A mamografia é um tipo de radiografia especial, realizada por um aparelho de raio-x específico para as mamas, conhecido por mamógrafo. É um exame de diagnóstico por imagem, que tem por objetivo captar imagens do tecido mamário para avaliar as mamas. A mamografia não só pode detectar a lesão em seu estado inicial, sendo ela milimétrica, como pode também detectar o câncer de mama até dois anos antes de ele se tornar palpável. É por isso, dentre outros motivos, que a mamografia de rotina é a melhor maneira de se detectar precocemente qualquer alteração nas mamas antes mesmo de você ou seu médico detectá-la.

    A recomendação da mamografia é para mulheres a partir dos 35 anos de idade, sendo considerado de rotina, pois deverá ser feito anualmente.

    Além da mamografia, médicos especialistas recomendam o autoexame a partir dos 20 anos de idade, bem como um exame clínico, que é aquele feito pelo próprio médico, a cada três anos quando a paciente tem até 34 anos, devendo ser realizado anualmente quando com 35 anos ou mais.

    A ‘Manobra de Eklund’ no Exame de Mamografia para as mulheres que têm Implantes

    O exame de mamografia pode ser normalmente realizado em quem tem Prótese de Silicone. Nesses casos, se realiza uma manobra especial chamada ‘Manobra de Eklund’ que, basicamente traciona a mama, empurrando o Implante Mamário, deixando as glândulas livres para trás. Sendo assim, o raio-x só atingirá o tecido mamário. Caso ainda reste dúvida mesmo com essa manobra, o exame de escolha passa a ser a ressonância magnética.

     

    Tratamento de Mamas Tuberosas (Mamas Tubulares) com a Cirurgia Plástica de Prótese de Silicone

    A Mama Tuberosa, também conhecida por Mama Tubular, é uma deformidade grave que pode ocorrer em uma ou em ambas as mamas. As mamas nascem deformadas, como tubérculos (tuber = raiz), devido à presença de um anel fibroso que se situa na base mamária, localizado abaixo da aréola, que não permite o correto desenvolvimento mamário durante a puberdade, impedindo o crescimento do seio tanto na horizontal quanto na vertical, fazendo com que ocorra apenas o desenvolvimento da mama em direção a aréola. Ou seja, as mamas ficam com formas cilíndricas, alongadas, cujo sulco inframamário é posicionado mais superiormente e normalmente a aréola está posicionada mais baixa que o sulco. Apesar de muito comum na raça indígena, pode acometer todas as raças.

    O tratamento de Mamas Tuberosas com o Implante de Silicone consiste em:

    • retirar pele ao redor da aréola para achatar a mama (telescopagem);
    • incisões relaxantes no interior da mama para alargar sua base;
    • descolamento do sulco inframamário para posicioná-lo mais inferiormente;
    • colocação de Prótese de Silicone de base larga e de projeção não muito acentuada.

     

    Rejeição da Prótese de Silicone (Contratura Capsular)

    A contratura capsular é a cicatrização esférica, devido à forma da Prótese de Silicone, com a excessiva contração da cápsula (tecido de cicatrização) que envolve o Implante Mamário. A rejeição da Prótese de Mama é a contratura capsular em grau avançado.

    Baker classificou os graus de contratura capsular conforme segue abaixo:

    • Grau 1 – não visível e não palpável; a mama é semelhante a uma mama não operada;
    • Grau 2 (mínimo) – palpável mas não visível;
    • Grau 3 (moderado) – palpável e visível, cápsula distorcida porém sem dor;
    • Grau 4 (grave) – palpável e visível, distorção marcada, mama endurecida e com dor constante.

    Dr. Zamarian Jr. explica que todas as pacientes que realizam a Cirurgia Plástica de Próteses de Silicone se encaixam, no início, no primeiro grau de contratura capsular de Baker e que o normal é que a contratura estacione nesse grau. O problema só começa a aparecer quando a contratura capsular começa a avançar para graus mais graves.

    Quando se evidencia a cápsula nas pacientes magras sem endurecimento da mama e sem deformidade que altere sua anatomia normal, não é caracterizada a rejeição.

    Os graus 1 e 2 são considerados normais em quem realiza a Cirurgia Plástica de Implantes de Silicone e nada se faz, não necessitando de tratamento.

    Considera-se “rejeição”, como popularmente conhecida, quando a contratura ocorre em grau 3, um grau considerado moderado, com deformidade que modifica a mama e a desloca superiormente, dando a sensação de ela estar apertada e endurecida, bem como no grau 4, que é considerado o mais grave, pois a contratura está palpável, visível e a cápsula marcadamente distorcida, fazendo com que a paciente sinta dores constantes.

    A etiopatogenia dessa complicação ainda não é profundamente conhecida. Mais recentemente nos Estados Unidos, um estudo associou rejeição das Próteses de Silicone a uma infecção subclínica. Porém, na experiência do Dr. Zamarian Jr., nenhuma de suas pacientes até hoje apresentou graus 3 ou 4 com a Prótese revestida com poliuretano Pintanguy/Rebello.

    O diferencial, cientificamente comprovado, da Prótese revestida com poliuretano, é que a maioria das pacientes que a utilizam apresentam grau 1 de contratura de Baker como qualquer outra, porém, suas chances de avançar para outro grau de contratura são ínfimas.

    O Tratamento da Contratura Capsular (“Rejeição”)

    Antigamente, contratura capsular era tratada com a manobra manual externa de torção e aperto da mama, até a ruptura da cápsula. Porém, essa manobra caiu em desuso por ser traumática e poder danificar a Prótese de Silicone.

    Quando a contratura capsular se encontra nos graus 3 e 4, os tratamentos realizados pelo Dr. Zamarian Jr. são os seguintes:

    • capsulotomia: incisões são feitas na cápsula com o objetivo de relaxá-la;
    • capsulectomia – consiste na retirada total da prótese com reposicionamento dos implantes.

    Quando se trata a cápsula ela volta a ser grau 1 ou 2 de Baker.

     

    As Estrias e a Cirugia Plastica de Prótese de Silicone

    O que são as Estrias?

    As estrias são atrofias lineares que aparecem devido ao rompimento das fibras elásticas que sustentam a camada intermediária da pele, bem como quando há comprometimento do colágeno da pele. O rompimento e o comprometimento são resultantes de estresse mecânico, como o estiramento exagerado da pele, ou do estresse fisiológico, qual seja, aquele estimulado por hormônios. Assim que as fibras são rompidas, estas se preenchem de sangue e é por isso que as estrias recentes são avermelhadas. Formam-se, então, algumas lesões que se mostram na pele como minicicatrizes. Com o passar do tempo, vão adquirindo uma coloração esbranquiçada, sendo estas as estrias consideradas as mais antigas.

    Qual a relação da Cirurgia de Prótese de Silicone com as Estrias? Os casos são freqüentes?

    As mamas, que ficam com a pele com fragilidade aumentada pela colocação das Próteses de Silicone, podem desenvolver estrias. Isso se deve justamente pelo estiramento que o volume das Próteses causa, principalmente enquanto o inchaço está maior.

    Algumas raras alterações hormonais também podem facilitar essa ocorrência.

    Porém, se nós da Clínica Zamarian tivemos um caso de estrias decorrentes de colocação de Prótese Silicone por ano foi muito. É raro em nossa experiência, mas não impossível.

    O que fazer para evitar o aparecimento de estrias após a Cirurgia de Prótese de Silicone?

    Dr. Zamarian Jr. recomenda sempre a hidratação imediata no pós-operatório com Óleo de Rosa-Mosqueta, pois em sua formulação existem propriedades emolientes que aumentam a lubrificação da pele, ajudando na hidratação natural. O motivo? A Vitamina E, que está presente. Importante ressaltar que não é o Óleo de Rosa-Mosqueta em si que impede a formação direta de estrias, mas indiretamente, por ajudar a evitá-las, pois deixa a pele extremamente hidratada.

    A aplicação do Óleo de Rosa-Mosqueta deve ser feita à noite antes de dormir, com a pele bem limpa. Pinga-se algumas gotas do óleo sobre a região a ser hidratada, espalhando sempre com movimentos circulares e massageando delicadamente até que ocorra sua total absorção. Nos casos de peles muito secas e frágeis, o recomendado são duas aplicações diárias.

    Preferencialmente, a paciente não deve se expor ao sol quando aplicar o produto sobre a pele.

    O dreno utilizado pelo Dr. Zamarian Jr. diminui a quantidade de líquido nas mamas e seu volume no pós-operatorio, sendo um fator importante na prevenção de estrias.

    O que fazer quando já apareceu a Estria?

    A melhor alternativa para tratamento de estrias novas, desenvolvidas após a colocação de implantes de silicone nas mamas, é o ácido retinoico a 5%. Dr. Zamarian Jr. realiza aplicações semanais e as estrias se esvaecem em cerca de duas a seis semanas.

     

    Prótese Silicone revestida com Poliuretano X Prótese Silicone Texturizada

    Dr. Walter Zamarian Jr. explica as principais diferenças. “A Prótese Silicone com revestimento de Poliuretano é um pouco mais trabalhosa de ser colocada, porém o resultado é uma mama mais firme e com menor propensão às estrias e à flacidez. Isso porque o poliuretano faz com que haja uma maior aderência da Prótese Silicone aos tecidos vizinhos, resultando em mamas mais firmes, quando comparamos com a texturizada. O cirurgião, no entanto, precisa ajustar a altura e lateralidade da Prótese Silicone com revestimento de Poliuretano no momento da cirurgia, pois esse tipo de implante não migra do lugar de onde é colocado”, explica Dr. Zamarian Jr.

    O fato é que ambos Implantes de Silicone têm boa aceitação por parte dos médicos e das pacientes, mas há uma tendência regional de a Prótese de Silicone revestida com Poliuretano ser mais aceita no Rio de Janeiro e a Prótese de Silicone Texturizada, mais utilizada no estado de São Paulo. Provavelmente, a formação dos centros de cada estado é a responsável pelo regionalismo.

    Com relação à contratura capsular, também popularmente conhecida por “rejeição”, ela é encontrada em índices menores com a Prótese de Silicone revestida com poliuretano, mas, mesmo com a Prótese de Silicone Texturizada, a incidência de contratura capsular atualmente é muito baixa.

     

    Em quanto tempo devo trocar meu Implante de Silicone?

    Depende. Embora os Implantes de Silicone não tenham limite de vida útil reconhecido ou estipulado pelo meio científico, a Silimed define um período médio de dez anos como vida útil esperada dos Implantes de Silicone. Tal parâmetro pode ser alterado caso surja uma razão que a justifique. Atualmente, temos conhecimento de diversas pacientes no Brasil e no exterior com o mesmo implante há mais de 20 anos sem quaisquer problemas. A paciente deve ser acompanhada periodicamente para que seja avaliada a necessidade de troca do implante. Dr. Zamarian Jr. recomenda a realização de um estudo com ressonância magnética anual após o décimo ano com prótese de silicone e realiza a troca dos implantes quando o exame mostra alterações ou quando a paciente assim deseja, a partir dessa época. Em média, os implantes são trocados entre 10 e 15 anos após sua colocação, pois com 20 anos, 95% dos exames de ressonância magnética mostram que as próteses de silicone já deveriam ter sido trocadas.

     

    Síndromes Associadas à Prótese Silicone nos Seios

     

    Síndrome de Poland

    A associação dos sinais abaixo caracteriza a Síndrome de Poland:

    • Ausência unilateral de músculo peitoral maior (se for o único sinal, é considerada forma monotípica da síndrome);
    • Sindactilia (união de dois ou mais dedos) da mão do mesmo lado;
    • Braquidactilia (dedos mais curtos que o normal ou da outra mão).

    Também podem estar presentes:

    • Hipoplasia ou agenesia (atelia) do mamilo;
    • Hipoplasia (hipomastia) ou agenesia (amastia) da mama;
    • Hipoplasia da gordura (tecido celular subcutâneo);
    • Ausência de cartilagens costais (II,III e IV ou III, IV e V) e
    • Hipoplasia da porção proximal das costelas.

    O teste para saber se há ausência do músculo peitoral maior na suspeita de Síndrome de Poland é realizado pedindo para que o(a) paciente coloque as mãos na cintura e force a cintura para dentro, enquanto o médico tenta palpar o músculo peitoral contraído ao nível da axila. A tomografia ou ultrassom são utilizados para confirmar a ausência do músculo peitoral maior.

    A Síndrome de Poland está aqui descrita porque seu tratamento, em mulheres, consiste na colocação de próteses de silicone nas mamas. Muitas vezes, essa cirurgia necessita de alguns ajustes, como correção cirúrgica de assimetria mamária, ou simplesmente a utilização de implantes de silicone de tamanhos diferentes nas duas mamas. A braquissindactilia pode ser tratada com técnica específica, que envolve retalhos locais e enxertos. Algumas deformidades torácicas leves e até moderadas não necessitam de tratamento específicos, enquanto alguns outros casos podem necessitar de retalhos musculares ou miocutâneos. Quando há falta de pele na região para cobrir adequadamente o implante de silicone, pode-se usar um expansor de pele previamente, para ganhar tecido.

     

    Síndrome de Mondor

    No processo de descolamento do sulco inframamário, necessita-se, por vezes, realizar a cauterização de alguns vasos que porventura possam sangrar. Nessa cauterização, forma-se um coágulo na ponta dos vasos, em especial, de veias mamárias. Caso o coágulo dessas veias tenha continuidade para dentro da veia mamária, pode-se formar um cordão fibroso, que pode ser assintomático ou causar dor. Essa é a Síndrome de Mondor, ou seja, uma tromboflebite superficial da veia mamária, que pode ser espontânea ou ocorrer após a cauterização de um vaso sanguíneo. O diagnóstico normalmente é clínico, mas pode ser investigado com ultrassom ou mamografia. Seu tratamento é feito com ácido acetilsalicílico por duas semanas a dois meses, a depender da resposta de cada organismo. Não há maiores complicações e os sintomas desaparecem rapidamente quando se institui o tratamento adequado.

     

    Agende uma Consulta para Cirurgia Plástica de Prótese Silicone

    Trouxemos todas as respostas às suas perguntas? Ainda tem outros questionamentos? Agende uma consulta para que Dr. Zamarian Jr. possa avaliar seu caso e oferecer-lhe a melhor opção de Cirurgia Plástica para Aumentar os Seios com Prótese de Silicone Londrina, aproveitando também para esclarecer todas suas dúvidas e anseios a respeito da Cirurgia Plástica, da Prótese de Silicone utilizada e sobre os pós-operatórios.

    Nossa equipe está preparada para atender você em um ambiente aconchegante, agradável e informativo.

    Para saber mais sobre Cirurgia Plástica de Prótese de Mama ou outra modalidade de Cirurgia Plástica, contate a Clínica Zamarian em Londrina, Paraná.